Arquivo da categoria Brava

Poradmin

Lei de Deus – Rodrigo Peres/José Medina

TOM : Dm

 
Dm 
Na doçura de bô am
Gm 
or, ó flor
 
C7 
M’ pô sperança, nâ  
Dm 
fé,de 
 
crê
 
que nês mu
Bb 
ndo , ca  tem m
A7 
ás 
 
 
 
Sabura  que bô re
D 
gaço
 
Pô bôs odj
A7 
os na de m
D 
eu
 
Dixam sunhâ co  bo nha  
A7 
flor

Da-m bô boca, mostra-m céu

 
Incantádo de bô am
D 
or

Na es fé  que nô tenê de fazê

Nos bida, um bida só mi co  bô    

É lei  que Deus ta sorri  /bis

Dixá-nu pa nu coúmpri

Lei  quê  todo

 nos gosto

Lei tão sábide cumpri

Pa nu pô rosto co  rosto  /bis

Um bida intero ta sorri

Poradmin

Mar eterno – Eugénio Tavares

TOM : Fm

 
Fm 
Oh mar eter
F7 
no sem fu
Bbm 
ndo sem fim
 
 
 
Oh mar das t
C7 
úrbidas 
 
v
Fm 
agas oh! Mar
 
De ti e das b
Db 
ocas do m
C7 
undo a mim
 
Só me vem dores e p
Fm 
ragas, oh mar

 
Fm 
Que mal te f
C7 
iz oh mar, oh mar
 
 
Fm 
Que ao ver-me p
Db 
ões-te a arf
C7 
ar, a arfar


Quebrando as ondas tuas

 
De encontro às rochas n
Fm 
uas

Suspende a zanga um momento e escuta
A voz do meu sofrimento na luta
Que o amor ascende em meu peito desfeito
De tanto amar e penar, oh mar

Que até parece oh mar, oh mar
Um coração a arfar, a arfar
Em ondas pelas fráguas
Quebrando as suas mágoas

Dá-me notícias do meu amor
Que um dia os ventos do céu, oh dor
Os seus abraços furiosos, levaram
Os seus sorrisos invejosos roubaram

Não mais voltou ao lar, ao lar
Não mais o vi, oh mar
Mar fria sepultura
Desta minha alma escura

Roubaste-me a luz querida do amor
E me deixaste sem vida no horror
Oh alma da tempestade amansa
Não me leves a saudade e a esperança

Que esta saudade é quem, é quem
Me ampara tão fiel, fiel
É como a doce mãe
Suavíssima e cruel

Nas mágoas desta aflição que agita
Meu infeliz coração, bendita!
Bendita seja a esperança que ainda
Lá me promete a bonança tão linda

Poradmin

Morna nha Sant’Ana – Eugénio Tavares

Djân crê odjâ quem qui ca tem

Quem qui ca tem cretcheu nêss bida

Pa más mufino (Tanguido) qui corpo ê

Nôs alma ê l[am7(b5)]ivre, nô tem qui c

 

A mi, di meu, pa nha pesar

Pa mal di tudo nha pecado

Êl prometen navio na mar

Êl mandâ dan lancha encadjado

 

Êl tiran luz qui Nhôr Deus dan

Êl dixam sombra di traição

Êl leban Sol dês mocidade

Êl xan cu dor di nha sodade

 

Si bo sentil tá bem pa tráz

Oh mar bisan, bisan ô mar

Pa’n ca sintal na nha ragaz

Pa’n pô catchor (alguém) na sê lugar

Poradmin

Camponesa formossa – Eugénio Tavares

 
Em 
Ó camponesa form
Am 
osa
 
de olhos gent
D 
is de mat
Em 
ar
 
vem clare
C 
ar-me a trist
B7 
eza

vem clarear-me a tristeza

 
com a luz do teu ol
Em 
har.
 
Tu que descalça e riso
Am 
nha
 
pe
D 
rcorres montes e va
Em 
les
 
deixa que eu s
C 
iga os teus pas
B7 
sos

deixa que eu siga os teus passos

 
deixa que esqueça os meus ma
Em 
les.
Mostra-me o trilho florido
que ao teu afeto conduz
dá-me o teu abraço amorável

dá-me o teu abraço amorável

sou um ceguinho sem luz.
Leva-me assim pelas mãos
lá p’los remansos da serra
tira-me tudo, a cidade

tira-me tudo, a cidade

que me entristece a terra.

E hei-de ser para ti

como Jacob a Raquel
Hei-de morrer a teus pés

Hei-de morrer a teus pés

como o teu cão mais fiél.
Ó camponesa formosa
de olhos gentis de matar
dá-me o teu braço, partamos

dá-me o teu braço, partamos

vamos viver e sonhar.

 

Poradmin

Inigma d’bô sorriso – Vuca Pinheiro

TOM: A

 
A 
Dixâ’m ter fé
 
na inigma d’bô sorr
C#m 
iso,
 
iludido na bô ci
Bm 
so,
 
perdido na nhas pens
A 
amentos de narciso.
 
Bm 
bô dâ’m bôs momentos,
 
pâ  
A 
nô trocâ sentimentos,
 
na ho
G#7 
ra qu’m ta ‘spiabo
 
pâ’m o
C#7 
iâ quel bri
E7 
lho na bô olhar.
 
A 
Fazê’m 
 
sintí
 
inspiração d’um po
C#m 
eta,
 
e cert
Bm 
eza de profeta,
 
pâ’m podê solt
A 
â ês grito de alerta.
 
E
Bm 
ntre um sonho, um ideal,
 
n
A 
um entrega total,
 
p
G#7 
â’m ser amor perfeito,
 
fl
C#7 
ôr más querido de bô j
E7 
ardim.

 

 
D
A 
i bôs lábios doce ‘n q’crê um bêjo
 
na midida d’nhas des
Bm 
êjo.

Di bô ternura di minina

 
um meiguice e um abraço na surd
A 
ina.
 
A 
Dês nha vida ingrato ‘n t’ofertâbo
 
tudo paixão dês nh’alma ‘scr
Bm 
âbo.
 
Pa nô viv
E7 
ê na som d’violino,
 
Na calor d’benção div
A 
ino.

 

Poradmin

Bico fino ê sô pâ nhôs – Vuca Pinheiro

 
F#m 
Ami sintado na bara
Bm 
nda
 
n
G#m7(b5) 
a ‘squina d’nha pensa
F#m 
mento,
 
num silêncio simâ conv
C#7 
ento,
 
ta contâ voltas di catav
F#m 
ento.

Coragem irmon, é si quês flâ’m,

ba pa ‘strangêro vivê bo vida,

aventura ‘m tem na sangue,

coragem ca ta faltâ’m.

Li na ‘strangêro

ês montâ’m, ês pô’m barbitcho,

Destruí’m nhas fantasias,

fazê’m cêga co dinhêro.

Bendê’m nha sangue,

ês chinâ’m flâ quel quê torto,

ês dâ’m padja, ês bacinâ’m,

bico quente ês pô’m na môn.

Nhôs cu nhôs nhôs djuntâ mom,

nhôs falâ, nhôs culbitâ,

gato ‘scaldado na lume

tem medo di água quente.

Nhôs tirâ, nhôs pô mas tcheu,

nhôs temprâ, nhôs cozinhâ,

bistí saia di ‘scocês,

paladar di marciano.

Lebâ’m nha terra,

ca bo dexâ’m na ‘strangêro,

nem co Guilda nem co Dollar

djâ’m ‘stâ farto di riola.

Adeus nhas guêntis,

camaradas e patrícios,

quêl groguinha é quê di meu,

bico fino é só pa nhôs.

 

 

Poradmin

Ná ô minino ná – Eugénio Tavares

 
Cm 
Ó rosto doce di odju magu
Bb7 
ado
 
Es bo cudado botal pa t
Cm 
raz
 
Nhor dês ta d
Ab7 
anu bida di p
G7 
az
 
Ó nha pec
Cm 
ado di od
G7 
ju 
 
magu
Cm 
ado

 

 
Cm 
Ná, ó minino n
Bb7 
á
 
Sombra rum fuji di  
Cm 
li
 
Ná,  
Ab 
ó minino n
G7 
á
 
Di
Cm 
xa nha f
G7 
idjo 
 
dor
Cm 
mi

 

Sono di bida, sonho di amor

Ou graça ou dor, ês é nos sorti
Si Deus más logo mandanu morti
Quem qui tem medo ta morrê cedo

 

Toma nha ombro, encosta cabeça

Djan dabo pêto, ama ragaz
Ó esprito doce ca bo tem pressa
Deta co geto, durmi

 

Poradmin

Vida sem bo Luz – Eugénio Tavares

 
Gm 
Bida sem bo luz ê cruz ê cruz
 
Bida sem bu  
Eb 
amor ê d
D7 
or

Dixam morre mi sô

Morre de amor pa bo

 
Morre pa bo de am
Gm 
or oh flor

 

 
Gm 
Pa kim cre vive mi so sem bô
 
G7 
Ai pertam na bo p
Cm 
eto
 
D7 
Ai 
 
am
Gm 
or
 
Na s
D7 
ombra di bu odjo p
Gm 
reto

 

 
Cretc
D7 
heu ess d
Gm 
or
 
Ê l
D7 
uz di c
Gm 
éu
 
A
D7 
mor di me
Gm 
u
 
E p
D7 
osse na bu rag
Gm 
aço

 

 
Gm 
Pam cre ma Deus sta na ceu, na ceu
 
Na mau tempo ou  
Eb 
na 
 
bon
D7 
ança

Bu al xa’n ness nha esperança

De inda bo ser di meu

 
Ant’n morre de d
Gm 
or 
 
amor

 

 
Gm 
Ma um al crebu tam tcheu na ceu
 
A
G7 
i ta manda Je
Cm 
sus
 
A
D7 
 
amo
Gm 
r
 
Pal b
D7 
em djudano cu ess c
Gm 
ruz

 

 

 

 

 

 

Poradmin

Mar nha confidente – Juloca Feijóo Pereira

 
Gm 
Ai, ai ô m
Eb 
ar para bô ob
D7 
i
 
Para bô obi ess nha lam
Gm 
ento
 
Obi bem  
Eb 
mar ka bu  
D7 
ri
 
Dess nha grande sofri
Gm 
mento
 
Djam flabo ke lingua di m
F 
undo
 
É mas comprido ke bô f
Gm 
undo
 
El têm na nha pêto c'
D7 
dor
 
El fazêm perdê nha a
Gm 
mor
 
Nhôs fal
Eb 
am sim m’ka têm ra
D7 
zon
 
Fazêm mar nha confid
Gm 
ente
 
Se m’ta tri
Eb 
ste el ta tcho
D7 
ra
 
Se m’sta ri el ta cont
Gm 
ente

Welcome!

Obrigado pela Visita.

 
Sabias que podes contribuir enviando letras????
Fico à espera!!!!
 
 

 

Obrigado.

Thank you